quinta-feira, 12 de março de 2009

Pecado


Abigail não era religiosa, aliás, muito pelo contrário.
Mas sabia quais eram os sete pecados capitais, isso qualquer um sabe.
Sabia e os cometia com freqüência, querendo e sem querer.
Só ainda não tinha matado ninguém e nem pretendia fazê-lo, aí já seria demais.
Na sua opinião, a religião jamais conseguiria podar sentimentos intrinsecamente humanos.
Inclusive, acreditava que o fato de alguns hábitos pertencerem à categoria pecado os tornava ainda mais atraentes.
Mas Abigail não pecava descomedidamente, a cada segundo do dia, não.
Também não pecava todos os pecados na mesma proporção.
Assim como todos os seres humanos, possuía um pecado preferido, sua característica mais marcante, o seu ponto fraco.
Era a preguiça.
Tamanha era sua preguiça que às vezes nem cometia nenhum outro pecado, só pelo prazer de ficar à toa, assim, sem fazer nada.

2 comentários: